Mas a vida do Palmeiras não será nada fácil. Pelo contrário. Além de todas as dificuldades técnicas da equipe - seja pela qualidade de alguns atletas ou pelos desfalques -, o maior adversário nesse momento é o fator psicológico. "Não dá para dormir. Você fica pensando nesse momento ruim, nem eu nem minha família dormimos direito", admitiu Maurício Ramos.

Em meio a tudo isso, o técnico Gilson Kleina quebra a cabeça para montar o time. Dessa vez, ele não conta com o lateral-esquerdo Juninho e o zagueiro Thiago Heleno, ambos suspensos, além de Valdivia, Correa e Maikon Leite, todos machucados.

Por outro lado, Maurício Ramos e Henrique, que estavam suspensos na última rodada, voltam ao time. Mas a grande notícia, de fato, é o provável retorno do atacante Barcos. A diretoria arma um esquema especial para que ele consiga chegar a Salvador antes da partida, já que estava até a noite de terça-feira com a seleção argentina.

Outro reforço importante é Marcos Assunção. O volante melhorou das dores que vinha sentindo no joelho direito, que impediram sua presença na derrota para o Náutico, e viajou na noite de terça-feira para se juntar à delegação palmeirense em Salvador. Ele ainda fará testes antes do jogo, mas deve enfrentar o Bahia.

Com tantos problemas, Gilson Kleina resolveu dar uma chance para o garoto Patrick Vieira. O meia de 20 anos, revelado pelas categorias de base do clube, faz seu segundo jogo como titular, o primeiro sem ser pelo time misto. Ele será o responsável pela organização das jogadas.